Anúncio foi divulgado pelo governador João Doria em sua página nas redes sociais. Segundo o governador, estudo está na terceira fase de testes, e será apresentado em coletiva de imprensa nesta quinta (11).
Técnica de laboratório exibe uma dose de uma candidata a vacina contra a Covid-19 pronta para ser testada em macacos no Centro Nacional de Pesquisa de Primatas da Tailândia, na Universidade Chulalongkorn — Foto: Mladen Antonov/AFP



O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou, na manhã desta quinta-feira (11), por meio de suas redes sociais, que o Instituto Butantan vai produzir uma vacina contra o coronavírus.

"Hoje é um dia histórico para a ciência no Brasil e em SP. Vamos anunciar que São Paulo vai produzir a vacina contra o coronavírus, através de parceria entre o Instituto Butantan e o laboratório internacional Sinovac Biotech", diz a publicação.

A postagem é acompanhada de um vídeo no qual Doria aparece ao lado do presidente do Instituto, Dimas Tadeu Covas. Segundo Doria, o estudo está na terceira fase do processo, a última antes do registro - o que pode levar mais de um ano para ocorrer.

"Um anúncio histórico: o acordo feito pelo Instituto Butantan com um laboratório chinês e a terceira fase de testes, que é a última, para a vacina contra o coronavírus", diz Doria no vídeo.

Detalhes do estudo serão divulgados em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, na Zona Sul da capital, às 12h30 desta quinta.

A Sinovach Biotech, empresa citada por Doria, é uma afiliada do estatal Grupo Farmacêutico Nacional da China, sediada em Pequim. O laboratório obteve autorização para começar testes em humanos em abril.

Além desta iniciativa, há ao menos 133 candidatas a vacina contra o vírus causador da Covid-19, sendo que dez delas estão na fase clínica, ou seja, sendo testadas em humanos.

Ainda assim, especialistas acreditam que a vacina estará disponível apenas em 2021.

Para chegar a uma vacina efetiva, os pesquisadores precisam percorrer diversas etapas para testar segurança e resposta imune. Primeiro há uma fase exploratória, com pesquisa e identificação de moléculas promissoras (antígenos).

O segundo momento é de fase pré-clínica, em que ocorre a validação da vacina em organismos vivos, usando animais (ratos, por exemplo).

Só então é chegada à fase clínica, em humanos, dividida em três momentos:

Fase 1: avaliação preliminar com poucos voluntários adultos monitorados de perto;
Fase 2: testes em centenas de participantes que indicam informações sobre doses e horários que serão usados na fase 3. Pacientes são escolhidos de forma randomizada (aleatória) e são bem controlados;
Fase 3: ensaio em larga escala (com milhares de indivíduos) que precisa fornecer uma avaliação definitiva da eficácia/segurança e prever eventos adversos; só então há um registro sanitário.// G1.