O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e o presidente da Câmara, Rodrigo MaiaFoto: Will Shutter/Câmara dos Deputados

Aprovada na noite desta terça-feira (22) no plenário da Câmara, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do novo Fundeb será analisada nas próximas semanas pelo Senado, onde a tendência é que os senadores chancelem o texto aprovado pelos deputados federais.

Lideranças do Senado ouvidas pela CNN ressaltam que senadores que militam na área da educação acompanharam a negociação da proposta entre o Palácio do Planalto e a relatora da PEC na Câmara, Dorinha Seabra (DEM-TO).

Além disso, destacam que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, é favorável ao texto costurado por Dorinha com Planalto e equipe econômica. Alcolumbre também é filiado ao DEM e tem relação próxima com a relatora.

“O Fundeb é meio ecumênico agora”, disse à CNN o líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO). Segundo ele, Alcolumbre deve decidir nos próximos dias quando a proposta será votada no plenário do Senado.

A tendência é que a votação só ocorra na primeira semana de agosto. Isso porque nesta e na próxima semana a pauta de votações do plenário do Senado deve se concentrar em medidas provisórias que estão próximas do vencimento.

Caso o Senado faça mudanças no mérito do texto da PEC aprovado pela Câmara, a proposta teria de voltar para nova análise dos deputados.

Relatoria
Segundo apurou a CNN com fontes próximas a Alcolumbre, três senadores despontam como favoritos para relatar a PEC: Dário Berger (MDB-SC), presidente da comissão de Educação do Senado; Flávio Arns (Rede-PR); e Izalci Lucas (PSDB-DF).// CNN Brasil.