Representação gráfica de como era o urso das cavernas


Os restos perfeitamente preservados de um urso-das-cavernas da Era do Gelo foram descobertos no Ártico russo. É o primeiro exemplar da espécie a ser encontrado com os tecidos macios intactos.

A descoberta surpreendente foi feita por pastores de renas nas Ilhas Lyakhovsky, que são parte das ilhas do arquipélago da Nova Sibéria no extremo norte da Rússia. 

Antes disso, só os ossos de ursos-das-cavernas haviam sido desenterrados, mas esse espécime tem até o nariz intacto, de acordo com uma equipe de cientistas da Universidade Federal do Nordeste (Nefu, na sigla em inglês) em Yakutsk, na Sibéria.

Em um comunicado publicado pela instituição, a cientista Lena Grigorieva disse: "Hoje essa é a primeira e única descoberta desse tipo: uma carcaça inteira de urso com os tecidos macios. Está completamente preservado, com todos os órgãos internos no lugar, incluindo até o nariz". 

Fóssil de urso das cavernas da Era do Gelo encontrado na Rússia

Fóssil de urso das cavernas da Era do Gelo encontrado na Rússia

Foto: Divulgação/North-Eastern Federal University Yakutsk (14.set.2020)

"Antes, apenas crânios e ossos haviam sido encontrados. Essa descoberta é de grande importância para todo o mundo". 

O animal adulto foi encontrado por um grupo de pastores de renas, que então transferiram o direito de pesquisar o espécime à Nefu, que está na vanguarda da pesquisa de mamutes e rinocerontes extintos.

De acordo com a equipe, o urso-das-cavernas (Ursus spelaeus) é uma espécie pré-histórica que vivia na Eurásia nas eras intermediárias e finais do Pleistoceno, e foram extintos a cerca de 15 mil anos atrás. Análises preliminares sugerem que o urso descoberto tem entre 22 mil e 39.500 anos de idade. 

Maxim Cheprasov, pesquisador sênior do laboratório do Museu do Mamute em Yakutsk, disse em comunicado que é necessário conduzir uma análise de datação de radiocarbono para determinar a idade precisa do animal. 

Os cientistas ainda não puderam visitar o local da descoberta — a carcaça ancestral foi descoberta bem longe de Yakutsk, que, por sua vez, fica a mais de 8.000 km de Moscou.

Descobertas significantes, incluindo mamutes, rinocerontes, potros, filhotes de cachorro e de leões-das-cavernas foram feitas na Sibéria nos últimos anos, conforme o gelo permanente derrete. // CNN-BRASIL