Ian Jenkins e seus parceiros, Alan e Jeremy, formam um “trisal”: relacionamento poliamoroso envolvendo três pessoas.

Depois de uma batalha judicial complicada e cara para todos se tornarem pais legais, o trio está criando duas crianças no sul da Califórnia –e provando como as famílias podem existir em todas as formas.

Eles fazem parte de uma família única e muito moderna que inclui três pais, duas mães substitutas e uma doadora de óvulos. No novo livro, "Três Pais e um Bebê" (em inglês, “Three Dads and a Baby”), Jenkins narra sua busca por potenciais doadores de óvulos e um substituto, além do desafio para mudar um sistema médico e legal voltado para casais heterossexuais.

Os três homens estão juntos há mais de oito anos. Jenkins diz que eles lutaram para que seus nomes fossem listados na certidão de nascimento da filha primogênita, Piper, para garantir os direitos dos pais e da criança. O processo foi emocionalmente cansativo.

“Mas temos esperança de que outras pessoas se beneficiem da experiência que tivemos”, disse à CNN em uma entrevista recente, complementando esperar “que seja mais fácil, menos caro e menos estressante para eles”.

Dois homens e nenhum bebê
Como um adolescente gay no estado da Virgínia, nos Estados Unidos, Jenkins diz que enfrentou ameaças de morte depois de se assumir e não conseguia imaginar que algum dia seria capaz de amar outro homem abertamente.

“Eu estava completamente isolado. Não conhecia um único gay quando estava no colégio”, diz. “Eu pensei que nunca seria capaz de viver uma vida autêntica. [...] Nunca me ocorreu que as pessoas pudessem ter dois parceiros”.

Ele conheceu Alan enquanto eles estavam fazendo residência médica em Boston.

“Ele era mais inteligente do que os outros alunos. Era óbvio, embora não estivesse se esforçando para exibir seus conhecimentos médicos, como era a metade dos residentes”, diz Jenkins.

Ele foi atraído pelo comportamento calmo de Alan, suas respostas espirituosas e sua compaixão por seus pacientes. No livro, Jenkins se lembra de ter sido tocado pelos cuidados de Alan com uma idosa frágil que havia sido hospitalizada. Ele a apelidou de “minha garota de ouro”.

O primeiro encontro foi em 2003. Jenkins foi até a casa de Alan com uma massa de pizza caseira e vinho e fez o jantar para ele. O casal, mais tarde, decidiu que Boston era muito fria e concordou em se mudar em busca de um clima mais quente. Eles acabaram em San Diego, onde Jenkins é professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, e Alan trabalha em um hospital como psiquiatra.

“Acontece que o centro médico que fica mais longe de Boston, no território continental dos Estados Unidos, fica em San Diego”, diz Jenkins. “Então, aqui estamos nós”.

Três homens e um bebê
Depois de quase uma década juntos, Jenkins apresentou a Alan a ideia de trazer um terceiro homem para sua parceria. Conheceram Jeremy online, que se juntou a eles em 2012.

Jeremy trabalha com medicina animal no zoológico de San Diego, onde seus pacientes variam de macacos a aves da Califórnia. Para proteger sua privacidade, Alan e Jeremy preferem não usar seus sobrenomes.

Alan mencionou a possibilidade de ter filhos várias vezes, mas os numerosos desafios de mães e mães de aluguel que enfrentariam como um trio do mesmo sexo pareciam intransponíveis.

"Sabíamos que ele estava certo, mas nunca demos o primeiro passo", escreve Jenkins no livro. “Com uma terceira voz à mesa, nossas conversas sobre paternidade começaram a mudar”. O estresse que acompanha a criação de filhos parecia menos intimidante quando compartilhado entre três pessoas.

“Simplesmente não tínhamos ovários”, escreve Jenkins.

Eles compartilharam sua situação com um dos amigos de infância de Alan, uma mulher chamada Meghan se ofereceu para ser uma doadora de óvulos. Ela queria permanecer na vida das crianças como uma espécie de figura de tia. Em vez de pagá-la como uma doadora de óvulos, eles concordaram em que os três pais pagassem suas despesas de viagem para visitá-los pelo menos uma vez por ano.

Outra amiga concordou em ser uma substituta e eles estavam prontos para serem pais. Mas o caminho para a paternidade envolveu mais advogados, papelada e dinheiro do que eles jamais imaginaram.

Três homens, um bebê e uma batalha judicial
Nos meses seguintes, Jenkins disse que a família gastou quase US $ 121 mil (aproximadamente R$ 688 mil) em contratos, honorários advocatícios, procedimentos médicos e exames para a primogênita.

“Casais gays não chegam à paternidade por acidente”, ele escreve no livro. “É sempre um ato deliberado e complicado”.

Além de vários contratos legais com as mulheres envolvidas, eles também tiveram que lutar para obter os nomes dos três homens na certidão de nascimento da primogênita. Jenkins explica que, como os homens não são casados, todos os envolvidos exigiram um advogado separado para redigir um acordo de paternidade.

De acordo com uma lei da Califórnia de 2013, um terceiro pai pode ser adicionado a uma certidão de nascimento após o nascimento de uma criança se puder demonstrar que o reconhecimento de apenas dois pais seria prejudicial para a criança.

Mas Jenkins disse que a juíza em uma audiência pré-nascimento hesitou em abrir um precedente ao decidir que os nomes dos três homens poderiam estar na certidão de nascimento.

Permitir que apenas dois pais tenham o documento negaria ao terceiro pai quaisquer direitos legais em relação à criança. Também forçaria os três homens a tomar uma decisão dolorosa.

Na audiência, os três homens pediram permissão para falar. Lutando contra a emoção, eles explicaram a importância de que os três fossem nomeados pais. Também falaram sobre herança automática, capacidade de tomar decisões sobre consentimentos médicos, e direitos de visitação em caso de separação.

Seus apelos funcionaram
“Nós podíamos ver em seu rosto [da juíza] que algo havia mudado, que ela não se sentiria confortável negando a paternidade de um de nós”, disse Jenkins. “E poderíamos dizer naquele momento que ela iria encontrar uma maneira de fazer as coisas funcionarem para nós”.

A juíza decidiu em seu favor antes que a pequena Piper nascesse, em 2017. Jenkins acredita que eles são a primeira família poliamorosa na Califórnia, e possivelmente nos EUA, a ser nomeada como pais legais de uma criança. A CNN não conseguiu confirmar isso.

Três homens, dois bebês e três mulheres
O trio está se acomodando nos papéis de pais. Eles agora têm o segundo filho, um menino chamado Parker, que nasceu em 2019 –produto da mesma doadora de óvulos, mas uma mãe substituta diferente.

O nascimento de Parker significou outro conjunto de contratos legais entre as pessoas envolvidas.

Mas, com Parker, não houve batalha legal para que os nomes dos pais fossem adicionados à certidão de nascimento. O tribunal cuidou disso sem que eles entrassem.

Jenkins afirma que eles estão eternamente em débito com a doadora do óvulo e as duas mães substitutas pelo presente de dois meio-irmãos biológicos.

Com vários pais, o processo biológico pode ser confuso. Jenkins frequentemente se pega tentando explicar.

“Fizemos uma extração de óvulos. Pegamos um monte de óvulos [...] e os fertilizamos com esperma de todos os três pais. E, desse esforço, obtivemos vários embriões. Um dos embriões era Piper, um dos embriões era Parker”, ressalta. “Então, os pais de Piper são Jeremy e Meghan, e os pais de Parker são Alan e Meghan”.

Meghan mora no estado de Tennessee, nos Estados Unidos, e vê as crianças pelo menos uma vez por ano. Eles a chamam de “mamãe Meghan”.

Como Jenkins observa em seu livro, Piper parece orgulhosa de sua família única.

Certa vez, ela disse a um colega da pré-escola: “Você tem dois pais. Eu tenho três pais”.

... todos iguais a uma família extraordinária
Os pais e seus filhos compartilham uma casa movimentada com os dois cachorros, chamados Otis e Hazel.

Eles se beneficiam de três rendas e mais pessoas para compartilhar as responsabilidades dos pais. Mas, em relação a outros aspectos, Jenkins declara que sua família é como qualquer outra. Ele compara os três pais ao seu crescimento como filho de divorciados.

“No dia a dia em nossa casa, tudo é muito normal”, afirma. “Há apenas pessoas fazendo o jantar, indo para a banheira de hidromassagem com as crianças, lendo livros, brincando com brinquedos. São apenas esses três pais em vez de dois ou um”.

Embora Jenkins esteja preocupado que seus filhos possam ser tratados de maneira diferente por causa de seu relacionamento único, eles não tiveram nenhum problema até agora.

“Não tivemos nenhum retorno negativo de colegas de trabalho e amigos. Todos parecem estar encantados com o acordo e isso é porque nos conhecem”, diz Jenkins. “Acho que algumas pessoas vão olhar para isso e dizer: ‘Oh, isso é exótico. Vai prejudicar a criança’. Mas quem nos conhece sabe que temos cuidado dessas crianças o melhor que podemos”.

Após a longa jornada para se tornarem pais, os três homens agora estão navegando na paternidade como qualquer outro pai. Seu objetivo é garantir que tenham regras e estilos parentais consistentes.

“Sabíamos que, se houvesse três de nós, o problema usual em que uma criança pode brincar com os pais se multiplica”, diz Jenkins.

Jeremy é, atualmente, o pai “popular”. Piper o segue como uma pequena sombra.

Alan adora ler as histórias infantis, criando sotaques diferentes para cada personagem. E a coisa favorita de Jenkins, agora, é ensinar Piper a ler.

Se ele mandasse uma mensagem para seu eu adolescente, diria a si mesmo que a vida fica melhor. Por mais que as coisas possam parecer desesperadoras para um jovem gay lutando para se encaixar, o mundo está mudando. E que um dia ele encontrará mais amor no mesmo teto do que jamais imaginou.// CNNBRASIL