O filme poçoense Rosa Tirana foi premiado na 11ª edição do Cinefantasy - Festival internacional de cinema fantástico -, que recebeu, neste ano, de 16 a 29 de abril, 781 filmes de 70 países e reuniu uma grande equipe de curadores; foram 14 especialistas, com equilíbrio de gênero, das mais diversas áreas do audiovisual que selecionaram os quase 140 títulos para compor a programação. A edição homenageou o cineasta Neville D’Almeida, que completa 80 anos e permanece como um dos mais inventivos mitos do cinema nacional.
Depois de mais essa premiação na categoria Longas-metragens, Rosa Tirana foi selecionado para representar o Brasil na Aliança Latino americana de Filmes Fantásticos, o FantLatam.
O diretor do filme, Rogério Sagui, não esconde a satisfação e alegria a cada conquista de Rosa Tirana que marca Poções no seguimento do cinema. “Fico muito feliz de ter um filme participando desse festival; foram um dos poucos filmes brasileiros no Cinefantasy. Fico mais feliz ainda com o FantLatam; essa indicação como melhor filme brasileiro e escolhido para representar o nosso país na América Latina, no ano que vem. Rosa Tirana irá representar o Brasil em 21 países. É motivo de muito orgulho ver um produto nosso, de nossa cultura, alçando voos tão altos”, disse.
Rogério finaliza sua fala atribuindo o sucesso do filme à sua equipe. “Foi um time muito forte que montei para realizar esse sonho. Um filme produzido aqui em nossa cidade, o que me deixa ainda mais contente, porque levamos ao mundo as nossas paisagens, nossos atores, nossos artistas. Rosa Tirana foi o mais popular, o mais assistido no Cinefantasy. Agora vamos representar na América Latina, e o representante sai daqui [Poções]”.
Sobre o filme
Em uma terra banhada de sol, durante a maior seca que o sertão nordestino já viveu, a menina Rosa mergulha em uma longa travessia pela caatinga árida e fantasiosa, em busca de um encontro com nossa senhora Imaculado, a rainha do sertão. Com um tom perspicaz, a trama é envolvida por um amalgama de fatores que, na aridez da paisagem retratada, torna-se fertilizante para a compreensão do drama humano, a partir do olhar da pequena protagonista.
DECOM-PMP