As agências da Caixa voltaram a registrar aglomerações e filas nesses últimos dias em todo o Brasil tanto na Capital Baiana, quanto em cidades da região do Sudoeste da Bahia. Na agência de Poções, interior do estado, um cliente da Caixa Econômica Federal que precisou dos serviços da Agência de Poções, concedido denunciou a venda de vagas na fila. A denuncia foi feita via telefone ao jornalismo de uma rádio FM local, onde o cliente afirma que quando chegou à fila, repentinamente foi abordado por uma pessoa que lhe ofereceu o lugar em troca no valor de R$ 50, 000 (Cinqüenta Reais), prontamente o cliente disse que iria denunciar o fato acorrido junto à Agência, o que foi feito em seguida, mais até o momento providencia alguma foi tomada por parte do Banco.



“São várias pessoas vendendo no início da fila. Vendem por R$ 30, R$ 50 e até R$ 60, na frente de todo mundo”, contou o denunciante. O Blog Panorama Geral entrou em contato com a Caixa para saber qual estratégia de fiscalização tem sido aplicada nas filas para que este tipo de caso não aconteça, mas não recebemos retorno até o fechamento desta matéria. Nossa reportagem também tentou entrar em contato com a Polícia para saber se há registros oficiais de denúncias sobre o caso, mas não obtivemos êxodo.

O Blog Panorama Geral, na pessoa de seu editor chefe, jornalista Noerivan [Van Nascimento] alerta a todos os usuários do serviço da Caixa Econômica Federal (Agência de Poções) que fiquem atentos. Presenciou o fato, denúncia imediatamente aos órgãos de segurança, ou seja, à unidade de Polícia mais próxima. Segundo a Lei 10.048, quem tem privilégios na fila são idosos, gestantes, mulheres com criança de colo e portadores de necessidades especiais. Essas pessoas têm prioridade e preferência em todas as filas e também possuem direito ao caixa especial em bancos, supermercados e serviços públicos. Ainda constitui crime contra a economia popular o ato de vender posições em filas. Prescreve o inciso IX, do artigo 2º , da Lei 1.521/51: – “obter ou tentar obter ganhos ilícitos em detrimento do povo ou de número indeterminado de pessoas mediante especulações ou processos fraudulentos (“bola de neve”, “cadeias”, “pichardismo” e quaisquer outros equivalentes)”, punido com pena de detenção.


A fila dando voltas no centro da cidade para agência da Caixa em Poções virou rotina desde o início do calendário do auxílio emergencial. Pessoas que têm dúvidas sobre o benefício esperam durante horas na fila até serem atendidas. O Procon recomendou que os bancos tenham funcionários para organização das filas formadas nas partes interna e externa do estabelecimento, realização de triagem para verificar se a demanda pode ser solucionada sem precisar entrar na agência, disponibilização de produtos para higienização e atendimento preferencial para idosos e pessoas consideradas do grupo de risco.//
Foto: Jeovane Campos // Reportagem: Blog Panorama Geral.