Algumas famílias seguem sem notícias de parentes



O artista visual cubano Anyelo Troya, foi condenado nesta quinta-feira (22) a 1 ano de prisão por “causar” tumultos na sua participação nos protestos contra o Presidente cubano, Miguel Díaz-Canel. As informações são da Agência internacional de notícias, Reuters.

De acordo com a agência, os manifestantes disseram que essa é a primeira prisão de muitas que estão por vir, e que daqui pra frente, virá uma “onda” de julgamentos contra todos aqueles que participarem das manifestações contra o regime.

"Eles o levaram a julgamento sem defesa, nem advogado, nem nada", disse a mãe do artista Anyelo, Raisa González, à Reuters, após assistir à sentença que descreveu como um julgamento coletivo de cerca de 12 pessoas. O julgamento foi criticado pela Anistia Internacional e pela Human Rights Watch (HRW).

Autoridades confirmaram na terça-feira (20) à Reuters, que iniciaram os julgamentos dos detidos sob acusação de instigar distúrbios, vandalismo, disseminação de epidemia ou agressão, acusações que podem acarretar penas de até 20 anos de prisão. "Teremos centenas de presos políticos em apenas duas semanas", disse Javier Larrondo, representante da organização de direitos humanos Cuban Prisoners Defenders.

O presidente Miguel Díaz-Canel disse na televisão local na semana passada que há pessoas que receberão a resposta que a lei cubana considera e "que será enérgica", mas afirmou que haveria o devido processo legal.

Contexto

A onda de protestos em Cuba dura há 10 dias e foram motivados pelo colapso da saúde no país. Além das manifestações por falta de ítens básicos de sobrevivência e pela demora da vacinação contra a covid-19, a população exibe por mais liberdade e democracia.//
(Foto: AP Images/ Rede Tv)