A Capela de Nossa Senhora da Piedade, que fica na região de Ponta Aguda, na cidade de Itatim, a cerca de 220 km de Salvador, foi arrombada e teve ao menos 20 estátuas destruídas, em um ato de intolerância religiosa. O local foi um dos cenários do filme "Central do Brasil", de 1998.

O caso foi registrado na delegacia da cidade e é investigado pela polícia. Até esta sexta-feira (20), ninguém havia sido preso. Entre as imagens que foram quebradas está a da padroeira da casa, Nossa Senhora da Piedade, que era a estátua mais antiga da capela e estava no local há mais de 30 anos.

A Capela de Nossa Senhora da Piedade foi plano de fundo de uma das cenas mais emblemáticas do filme Central do Brasil, dirigido por Walter Salles e estrelado pela atriz Fernanda Montenegro, que foi indicada ao Oscar como melhor atriz pelo longa, em 1999.

A destruição foi percebida pelos fiéis momentos após que a Capela de São Roque, que fica no povoado de Tanque da Laje, na mesma cidade, foi invadida por um homem, na manhã quarta-feira (18).

Lá, ele destruiu imagens de santos e a suspeita é de que ele também tenha destruído a capela anterior. Desconfiados após o vandalismo na Capela de São Roque, os fiéis foram à Capela Nossa Senhora da Piedade e encontraram a porta arrombada e as imagens quebradas.

Por ser pequena, a Capela de Nossa Senhora da Piedade não estava fazendo celebrações, para evitar aglomerações em meio à pandemia, por isso o vandalismo só foi descoberto após a destruição na casa de São Roque.

Segundo o padre José Barreto Filho, da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição – responsável por administrar os locais – o ato de intolerância foi cometido por um homem, que carregava uma bíblia na mão, que proferia palavras de insulto. Além de questionar a fé dos católicos, o homem repetia seguidamente que “santo não fala”.

“Estive na comunidade e lá muito triste o cenário. Tudo destruído. Principalmente o coração do povo, que tinha um apego muito grande, afetivo e espiritual à igreja e, claro, às imagens que foram adquiridas com muito sacrifício, com doações feitas por famílias da própria comunidade”, relatou o padre.

“Nós precisamos aprender a respeitar a religião do outro. Todo mundo é livre, todo mundo tem o direito de escolher sua religião. É fundamental que a gente lute para que a intolerância religiosa seja dissipada do nosso meio”.

Na Capela de São Roque, foram três foram quebradas as estátuas do padroeiro da casa, que estava no local há 50 anos, a de Nossa Senhora da Conceição e a de Santa Luzia, além de um crucifixo com a imagem de Jesus.

A última celebração por lá foi na segunda-feira (16), quando foi comemorado o dia de São Roque. A Paróquia de Nossa Senhora da Conceição ainda não estimou prejuízo e informou que vai fazer campanha para angariar fundos e comprar novas imagens. (G1 Bahia)