Na última quinta-feira (26), a Vigilância Sanitária de Guanambi, em conjunto com o Departamento de Fiscalização Ambiental da Secretaria de Meio Ambiente, apreendeu centenas de litros de um produto, supostamente mel de abelha que estava sendo fabricado no fundo de uma residência domiciliar na cidade localizada na região Sudoeste do Estado.

De acordo com informações da Vigilância Sanitária o produto era identificado como mel e seria vendido no comércio local, feiras livre e nas cidade vizinhas.

No momento da apreensão dos frascos, os fiscais constataram que o produto não possuía selo de registro junto aos órgãos que controlam a fabricação de produtos alimentícios e nem apresentava rótulo descrevendo características do produto.

Além de não ter o certificado de produção legal do mel, o que prova indícios de adulteração ou falsificação, o envase do produto era feito sem o mínimo de cuidados para com a proteção e segurança alimentar dos consumidores.

Na visita ao local, foi identificado que o envase do suposto mel estava sendo feito na área externa da propriedade, sem qualquer mecanismo de proteção sanitária. O líquido era preparado em um tonel (recipiente de zinco, normalmente já utilizado para armazenar algum tipo composto químico).

O tonel estava montado numa coivara, tipo de fogueira improvisada com pedaços de blocos e madeiras. De acordo com informações da Vigilância, os responsáveis pelo suposto mel, preparava o líquido, realiza o envase em garrafas pet e distribuía ao comércio.

A Vigilância chegou ao proprietário do suposto mel por meio de denúncias. O dono do produto revelou que umas das remessas seriam enviadas ao comércio da cidade de Feira de Santana. (Fonte: Portal Folha do Vale)