A Polícia Federal pediu a prisão do padre Robson de Oliveira nesta semana. O religioso era investigado por suspeita de desvio de dinheiro de fiéis doados para a Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), em Trindade, na Região Metropolitana de Goiânia (GO).

Segundo as investigações do Ministério Público, o padre usou dinheiro doado para comprar fazendas, casas na praia e um avião. Ao todo, o prejuízo para a associação chegaria a mais de R$ 100 milhões. Além disso, ele supostamente teria investido cerca de R$ 1,3 milhão em projetos de mineração.



(Foto: Reprodução/Redes sociais)

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) ainda precisa analisar o pedido de prisão da PF. A defesa do religioso alega que os fatos usados ​​pelo órgão são antigos e que não há motivo para ele ser detido.

"A defesa compreende que a representação padece da falta de consistência jurídica, pois os fatos invocados são antigos e já foram divulgados pela mídia", afirmou a defesa ao portal UOL.

"Por ora, a defesa expressa sua confiança no Poder Judiciário. Não estamos nem sequer preparando o habeas corpus preventivo —entraremos com habeas corpus caso sejamos surpreendidos com o deferimento", completou.

O Tribunal de Justiça de Goiás decidiu em decisão unânime arquivar a investigação contra o religioso em setembro deste ano.
//Por: Reprodução/Pixbay