Já nas primeiras horas deste sábado (4), centenas de fiéis iniciaram a festa de Santa Bárbara no bairro do Pelourinho. A celebração, uma das mais tradicionais de Salvador, reúne música, missas e caruru.
As missas foram celebradas às 7h, 9h e 11h e as vagas para assistir presencialmente, assim como para participar do cortejo, foram preenchidas com antecedência, ainda em razão da pandemia.


De lá, o festejo segue para o Corpo de Bombeiros, no Centro Histórico. Neste ano, também por causa da Covid-19, o famoso caruru dos bombeiros será distribuído em 600 quentinhas, para os moradores de comunidades da capital baiana.

Presente na celebração, o artista plástico Adilson Guedes contou ao BNews que é devoto de Santa Bárbara há 20 anos e sempre vai à festa.

“Eu participo de todas as celebrações. Esse ano, por causa da pandemia, não teremos a procissão, mas de qualquer forma eu venho praticar a minha fé. Agradecer a ela por todas as vezes que intercedeu na minha vida e pedir proteção e cura. Estou aqui também representando a minha família, já que muitos não puderam vir, por causa do número reduzido de pessoas permitidas”, disse.

Já a fotógrafa Raquel Bacelar, que também estava no Pelourinho, relatou ao BNews que a devoção Santa Bárbara vem de sua avó e que hoje alia a fé ao trabalho na festa.


“Depois que passei a fotografar profissionalmente, venho à celebração para exercer minha fé, mas também para fazer fotos. Uno o útil ao agradável. Só que a minha ligação com Santa Bárbara é antiga, veio através de minha avó, que fazia parte da Irmandade do Rosário. Essa é uma festa que eu venho com ela desde pequena, é uma tradição familiar. Como eu costumo dizer: minha família é católica apostólica baiana”, brincou.// Aline Reis e Lara Curcino