Um pênis de borracha na mesa de um dos professores da academia do Barro Branco, responsável por formar os principais quadros da Polícia Militar de São Paulo, virou investigação da Corregedoria da corporação.

Segundo a Folha de São Paulo, o caso aconteceu no dia 12 de novembro e equipes da Corregedoria foram acionadas para tentar resolver o mistério. Funcionários e alunos foram proibidos de deixar o local até que o caso fosse esclarecido.

Apesar das broncas, o responsável pelo ato ainda não foi descoberto e, naquele dia, a turma acabou liberada horas depois.

Analistas da PM tentam agora encontrar as digitais no material e confrontá-las com as das pessoas que estavam na unidade e, assim, identificar o culpado.

Procurada de Folha, a Polícia Militar não quis se manifestar.


A academia do Barro Branco tem aproximadamente 660 cadetes, além de cerca de 140 funcionários. Não há câmeras no local onde o trote ocorreu.// Reprodução/Whatsapp