David Bennett, de 57 anos, com doença cardíaca, recebeu um transplante bem sucedido de um coração de porco geneticamente modificado e permanece bem após três dias da cirurgia.

De acordo com a Escola de Medicina da Universidade de Maryland, onde o procedimento foi feito, essa era a única opção disponível ao homem pois ele foi considerado inelegível para um transplante de coração convencional ou uma bomba de coração artificial.

“Era morrer ou fazer esse transplante. Eu quero viver. Eu sei que é um tiro no escuro, mas é minha última escolha”, disse o paciente um dia antes da cirurgia. Ele estava internado nos últimos meses. “Estou ansioso para sair da cama depois que me recuperar”.

O transplante histórico aconteceu após autorização de emergência da agência reguladora dos Estados Unidos, Food and Drug Administration (FDA).

O cirurgião responsável pelo procedimento, Dr. Bartley P. Griffith, disse em comunicado que esta foi uma cirurgia inovadora e que deixa um passo mais perto de resolver a crise de escassez de órgãos.

Segundo o governo federal dos Estados Unidos, cerca de 110.000 americanos estão atualmente esperando por um transplante de órgão, e mais de 6.000 pacientes morrem todos os anos sem conseguir um.

De acordo com especialistas, válvulas cardíacas de porco já foram transplantadas para humanos por muitos anos e alguns pacientes com diabetes já receberam células do pâncreas suíno. A pele de porco também tem sido usada como enxerto temporário para pacientes queimados.//
(Foto: Divulgação/Universidade de Maryland)